Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, terça 18 de junho 2019
Midia Kit
Economia - Impostômetro

Em três meses, mato-grossenses pagaram R$ 9 bi em impostos

O painel foi inaugurado na quinta-feira (04), com a presença do presidente da Confederação Nacional do Comércio

Somente nos três primeiros meses deste ano, os mato-grossenses pagaram cerca de R$ 9 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais. A nível nacional o montante ultrapassa os R$ 665 bilhões. Os valores estão expostos no “Impostômetro”, painel de LED com cerca de 18 m² instalado na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT), localizado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, no CPA, em Cuiabá.

O painel foi inaugurado na quinta-feira (04), com a presença do presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Roberto Tadros.“O Impostômetro é um balizador muito grande para esclarecer a população do quanto é cobrado deles, desta forma, eles podem cobrar dos seus governantes que os impostos sejam revertidos em serviços sociais. Desta forma, se entende que se paga impostos de mais, e não recebemos em troca, os benefícios”, afirma Tadros.

O presidente da CNC, também criticou a política de cobrança de impostos no país, “a reforma tributária é absolutamente inadiável. São tributos em cascata que vem de municípios, estado e União. No Brasil, da imprevisibilidade política e econômica, o empresário vai dormir com um regra e acorda com outra. Nós não conseguimos acompanhar. Para dar conta dos impostos, nós não conseguimos produzir bens e lucros que remunerem bem o trabalhador, fazem o dinheiro circular, produzir riquezas e alavancar a economia do país”.

Segundo José Wenceslau de Souza Júnior, presidente da Fecomércio, Sesc e Senac em Mato Grosso, o painel vai trazer informações em tempo real, que vão além dos tributos. “Queremos chamar a atenção de quem passa pelo local. Vamos apresentar as informações em tempo real dos impostos, mas também sobre o trânsito e o valor da cotação dos commodities produzidos em Mato Grosso, e os serviços prestados pela Fecomércio, Sesc e o Senac”, esclarece.

Múcio Ribas, tributarista da Fecomércio, revela que “os números apresentados no Impostômetro incluem taxas, contribuições e juros. Do montante apresentado 68% é referente a arrecadação federal, 25% dos estados e 6% dos municípios. Se percebe que a maior fatia vai para a União”.

De acordo com a assessoria de imprensa, o levantamento utilizado das arrecadações federais é da Receita Federal do Brasil, Secretaria do Tesouro Nacional, Caixa Econômica Federal, Tribunal de Contas da União, e IBGE. As receitas dos estados e do Distrito Federal são apuradas com base nos dados do CONFAZ – Conselho Nacional de Política Fazendária, das Secretarias Estaduais de Fazenda, Tribunais de Contas dos Estados e Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda. As arrecadações municipais são obtidas através dos dados da Secretaria do Tesouro Nacional, dos municípios que divulgam seus números em atenção à Lei de Responsabilidade Fiscal, dos Tribunais de Contas dos Estados.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

Propostas retomam a política de valorização do salário mínimo

OPINIÃO

Suplementação de vitamina D o que há de novo?
A prescrição de vitamina D tem sido amplamente usada para prevenção de distúrbios nos ossos. Sua sup...
Transplante capilar sem cicatriz
Na vanguarda dos tratamentos médicos, a cirurgia do transplante capilar a cada dia ganha mais adepto...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Fusão
Fusão Disney e Fox é finalizada e Deadpool comemora

TECNOLOGIA

Fique - Atento
Golpistas usam Instagram para aplicar fraudes em vendas on-line

ESTADO

TAC
TCE aponta irregularidades a secretário de Saúde e termo de ajustamento deve ser assinado
Dívida
LRF, câmbio e “freio” do dólar: entenda as polêmicas que envolvem alongamento da dívida em dólar