Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, terça 28 de janeiro 2020
Midia Kit
Política - MT - Senado

Nova eleição movimenta bastidores da política de MT; conheça os principais cotados à vaga de Selma

Eleição suplementar só deve acontecer depois de março e custará cerca de R$ 9 milhões

As eleições suplementares que vão escolher o novo senador por Mato Grosso ainda não têm data para acontecer, mas as articulações em torno da vaga da senadora cassada Selma Arruda (Pode) começaram muito antes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmar a perda do mandato da juíza aposentada, no julgamento que ocorreu na ultima terça-feira (10). Até o momento, mais dez autoridades políticas já se iniciaram movimentação nos bastidores para definir candidatura.

Adilton Sachetti (PRB) concorreu ao Senado nas eleições do ano passado, mas ficou em 4º lugar, com 333.082 votos. Ele está fora da política desde então, quando terminou seu mandato de deputado federal. Adilton é formado em arquitetura, mas vive do agronegócio. Ele já foi prefeito de Rondonópolis e exerce forte influência na região. Sachetti é do grupo de dissidentes do PSB – ao qual pertencia o governador Mauro Mendes (DEM) -, que deixou a sigla após contrariar orientação partidária para votar a favor de pautas do Governo de Michel Temer (MDB).

Antonio Galvan é uma das novidades que surgiram em meio à especulação em torno da vaga de Selma. O produtor rural é presidente da Aprosoja Mato Grosso e vice-presidente da Aprosoja Brasil e, embora desconhecido na política, tem destaque na atuação da classe produtora em Mato Grosso e em todo país. Fontes afirmam que o produtor já tem apoio em pelo menos 60 municípios de Mato Grosso caso decida concorrer ao cargo.

Blairo Maggi (PP) é ex-governador de Mato Grosso, ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. É um dos maiores empresários do mundo e um dos políticos com maior influência em Mato Grosso na atualidade. Seu grupo tem se reunido com freqüência em busca de um nome que seja consenso para representar o agronegócio nas eleições suplementares do ano que vem. Blairo, por sua vez, já garantiu que não tem pretensão alguma de voltar para a vida pública. Quem o quer na vaga de Selma, porém, aposta no “fator surpresa”, como já ocorreu em outras vezes em que Blairro disse que não seria candidato, mas decidiu entrar na disputa no fim das contas.

Carlos Fávaro (PSD) também concorreu ao Senado em 2018. Ficou em 3º lugar, com 434.972 votos. Ele foi o responsável por provocar o processo que resultou na cassação de Selma. Na ação, ele pedia ainda sua diplomação automática no cargo. No entanto, o TSE decidiu, nos termos do voto do relator do caso, ministro Og Fernandes, que a Constituição Federal determina uma nova eleição para senador, caso o cargo fique vago, sem suplente para substituir o titular, e faltem mais de 15 meses para o término do mandato. Fávaro foi vice-governador na gestão de Pedro Taques (PSDB), mas rompeu com o tucano próximo do fim do mandato e assumiu postura de oposição no grupo do atual governador, Mauro Mendes.

Cidinho Santos (PL) é ex-senador e tido como “plano B” caso Blairo Maggi descarte concorrer à vaga de Selma. Há pouco dias, o empresário afirmou que não iria discutir o assunto até que o TSE confirmasse a cassação da então parlamentar. Mas, admitiu que caso a vaga estivesse realmente aberta, poderia pensar sobre o assunto.

Eduardo Botelho (DEM) é presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e exerce atualmente seu segundo mandato como deputado estadual. É um dos nomes considerados mais fortes para concorrer ao Senado na vaga de Selma, mas já disse em entrevistas que analisa outras possibilidades, como a de assumir uma cadeira no Tribunal de Contas do Estado (TCE), ou concorrer à Prefeitura de Várzea Grande.

Maria Lúcia Cavalli Neder (PC do B) também concorreu ao Senado em 2018. A ex-reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) ficou em sétimo lugar, com 172.259 votos. Doutora em Educação, ela possui influência na área e mantém bom relacionamento com partidos de esquerda no Estado, que já ensejaram seu nome à vaga de Selma.

Mauro César Lara de Barros (PSol), ou Procurador Mauro, como é conhecido, ficou em quinto lugar nas eleições ao Senado do ano passado, com 226.053 votos. Procurador da Fazenda Nacional, ele nunca assumiu nenhum cargo eletivo, mas além das eleições de 2018, já concorreu três vezes à Prefeitura de Cuiabá.

Nilson Leitão (PSDB) ficou em quinto lugar nas eleições ao Senado do ano passado, com 330.430 votos. Foi deputado federal, deputado estadual, prefeito e vereador por Sinop e construiu sólida relação com o agronegócio mato-grossense no período em que esteve no comando da Frente Parlamentar Mista da Agropecuária no Congresso Nacional. Ele é tido como um dos preferidos dentro do PSDB de Mato Grosso para concorrer à vaga de Selma.

Neri Geller (PP) também surge no horizonte de possíveis candidatos que representam o agronegócio. Já foi ministro da Agricultura, assim como Blairo, e atualmente é líder da bancada federal de Mato Grosso. Está em seu terceiro mandato como deputado federal e vem ganhando destaque por conta de sua capacidade de dialogar com todos os parlamentares do Estado que atuam no Congresso.

Pedro Taques (PSDB) foi derrotado nas urnas no ano passado, quando tentou a reeleição ao Governo de Mato Grosso. Nos bastidores, fontes ligadas ao tucano afirmam que Taques está entusiasmado com a idéia de voltar para a política e que aposta no bom desempenho que teve quando foi senador da República para reassumir cadeira no Senado. Atualmente Taques é advogado. Ele é ex-procurador de São Paulo e ex-procurador da República e ficou nacionalmente conhecido após tocar as investigações que levaram à prisão do bicheiro João Arcanjo Ribeiro. Taques, no entanto, enfrenta resistência de seu próprio partido, que conforme mencionado acima tem predileção por Nilson Leitão.

Além dos nomes citados acima, há uma expectativa de que os demais candidatos que disputaram as eleições contra Selma no ano passado, mas não tivera votação expressiva, tentem concorrer novamente à vaga. São eles: Waldir Caldas (Novo), Aladir (PPL), Gilberto Lopes Filho (PSol) e Sebastião Carlos (Rede).

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

Propostas retomam a política de valorização do salário mínimo

OPINIÃO

Suplementação de vitamina D o que há de novo?
A prescrição de vitamina D tem sido amplamente usada para prevenção de distúrbios nos ossos. Sua sup...
Transplante capilar sem cicatriz
Na vanguarda dos tratamentos médicos, a cirurgia do transplante capilar a cada dia ganha mais adepto...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Fusão
Fusão Disney e Fox é finalizada e Deadpool comemora

TECNOLOGIA

Fique - Atento
Golpistas usam Instagram para aplicar fraudes em vendas on-line

ESTADO

Pedido - do - TCE
Proposta aumenta de 60 para 120 dias o prazo de análise das contas do governador
Folha - pesada
Mendes diz não ter garantia de que 13º será pago neste ano